O Portal dos Quiropraxistas no Brasil

Qua13Dec2017

Seja bem vindo ao Portal dos Quiropraxistas no Brasil

Back Você está aqui: Página Principal Quiropraxistas no Brasil Menu Blogs & Colunas Coluna da coluna - Iury Rocha Ensaio sobre a quinta vértebra lombar

Coluna da coluna - Iury Rocha

Ensaio sobre a quinta vértebra lombar


Dr. Iury Rocha

A partir do momento em que começamos a andar ereto, desenvolvendo assim a lordose lombar, tão exclusiva do homo sapiens, a quinta vértebra lombar foi alçada a uma condição até então inédita num vertebrado: assumiu a função de uma espécie de pivô no centro de gravidade do ser humano.

As 24 vértebras da coluna (07 cervicais, 12 torácicas, e 05 lombares) são numeradas de cima para baixo. Portanto, a primeira vértebra lombar está localizada acima da segunda, sucessivamente, até chegar a quinta (e última) vértebra lombar, doravante denominada de L5. Sua localização fez L5 extremamente suscetível ao estresse em que é submetida.

A quinta vértebra lombar tem uma aparência peculiar, mais atarracada do que as demais e facilmente reconhecível quando vista separadamente. Nos evoca a imagem de um sujeito baixinho e troncudo, de enorme força. E é o que L5 foi criada e desenvolvida para ser. É de fato uma vértebra que suporta enorme carga, justificando assim sua aparência.

Em termos evolutivos, a aparência de L5 é justificada por sua função. Jules Wolff (1836 – 1902), famoso anatomista alemão de seu tempo, postulou o que chamamos de LEI DE WOLFF que diz: “toda mudança na forma e na função de um osso ou SOMENTE NA SUA FUNÇÃO, é seguido por certas mudanças definidas na sua arquitetura interna e alterações secundárias na sua conformação externa.”
Contudo, da mesma maneira que a função (como reza a Lei de Wolff)  moldou L5 na sua aparência atual, também deixou-a vulnerável a certas adversidades causadas por defeitos de nascença. De fato, a quinta vértebra lombar é sujeita a um percentual relativamente alto de anomalias, como: Transicionalização (lombarização e sacralização), Espinha Bífida Oculta, Espondilólise e Espondilolístese, entre outros. Anomalias nesta região, por sinal, serão assunto do nosso próximo artigo.

Observe que anomalias não são patologias. São simplesmente defeitos de nascença e podem estar embebidos no código genético do paciente. Isto significa que, se um pai ou uma mãe possuem certas anomalias na quinta vértebra, muito freqüentemente alguns de seus filhos também as herdarão.

Uma coisa interessante, é que alguns destes tipos de anomalias simplesmente não são mencionados num laudo radiológico, provavelmente por não terem cunho patológico. Mas estas anomalias nos dão informações importantíssimas sobre a CAUSA daquele tal  “probleminha” de coluna que aflige o paciente por tantos anos.

Cada uma destas anomalias citadas acima causa instabilidade na região lombo-sacra. Esta instabilidade acaba por aumentar o estresse no disco intervertebral, contribuindo para o processo de discopatia degenerativa (desgaste do disco) que ocorre inevitavelmente com o decorrer dos anos, só que desta vez mais prematuramente. Os discos mais afetados são, claro, os acima e abaixo de L5. Não é à toa que a maioria das hérnias discais estão localizadas entre os segmentos de L4/L5 e L5/S1.

Se o leitor mais atento estiver achando o assunto deste artigo familiar, é porque esta discussão sobre a quinta vértebra lombar se interliga a artigos anteriores como hérnia de disco e biomecânica da coluna.

L5 está localizada num ponto chave de nosso centro de gravidade por sermos eretos. Portanto, além de se sujeitar à Lei de Wolff, é também refém da famigerada Lei de Murphy.


Clique aqui para ver todos os artigos de Dr. Iury Borges Rocha

Powered by Bullraider.com
Publicidade:
 

Serviço em Destaque

Seu email profissional

Endereço de email profissional por uma pequena taxa por ano. O Portal dos Quiropraxistas oferece aos profissionais associados da ABQ um endereço de email de um dos nossos domínios disponíveis. Registre o seu!